ComportamentoEducação

Escolher a escola, como foi por aqui

Quando decidimos colocar o João Pedro na escola eu e o marido tivemos várias conversas intermináveis, afinal queríamos primeiro nos alinhar para depois escolhermos onde nosso pequenino iniciaria sua vida acadêmica!

Eu sempre achei que o inglês desde pequeno fazia muita diferença, talvez por ter ‘sofrido’ pra aprender por aqui (até que com 25 anos fui morar fora pra aprender, e ainda assim, acho que fico muito a desejar!), então sempre quis uma escola bilíngue, ou que ensinasse desde o início da alfabetização a língua inglesa, além disso queria uma escola que respeitasse alguns pontos como o desfralde e a chupeta (sim, João chupa chupeta! Pra dormir apenas, mas gosta dela, dorme bem melhor com, enfim…), e também prezava pela parte pedagógica e lúdica, minha mãe é pedagoga, e nos tirou várias dúvidas nesse ponto! Já o Gabriel não era tão convencido na parte das línguas, defendia mais o brincar, mas nos outros quesitos estávamos bem alinhados. Bastava acharmos um equilíbrio.

Da mesma forma que começamos nossa busca pelo pediatra, rapidamente percebi que a lista de itens a serem preenchidos pela escola que estavam na nossa listinha não seria possível encontrar! Teríamos que colocar prioridades, o que não abriríamos mão e o que não aceitaríamos de qualquer modo.

Sendo assim a lista ficou melhor:
– ambiente (seguro, com número suficiente de profissionais e alunos, arejado, limpo – aquela higiene indispensável – , )
– pedagógico (que respeitasse o tempo da criança, entendendo as limitações e os esforços de cada uma)
– brincar (parquinhos, áreas verdes, contato com outras crianças)
– refeições (que o lanche fosse feito de forma saudável, com cardápio variado, opções de frutas – de preferência que fosse feito na própria escola, dessa forma é mais fácil garantir a qualidade e o frescor do cardápio!)
– rotina (horários, de sono, de lanche, de brincar, de dançar…)
– línguas (esse quesito seria um bônus, caso tivesse, eu teria ganho na loteria!! Hahaha)

E dessa forma visitamos algumas escolas, vimos de tudo um pouquinho, muitos métodos diferentes, mas de modo geral, das 6 que visitei, duas eu tirei de primeira, entre as outras foi mais difícil escolher.

A que ganhou nosso coração preencheu, incrivelmente , todos os quesitos acima (inclusive o inglês !!!), quando entrei nela me senti bem em vê-lo ali! (Já até me pego imaginando ele de uniforme, uma fofura!!)

Achei que seria mais difícil, que eu so acharia defeitos atras de defeitos e que dificilmente conseguiria bater o martelo com tanta certeza!! Sei que é só o início (ainda tem a adaptação escolar!!) mas JP já se enturmou, olhou e conheceu tudo, e parecia estar bem à vontade também!

Esse post é pra, mais uma vez, trazer o dialogo como a melhor parte de uma decisão, se  estamos alinhados, dificilmente perderemos o foco e a escolha fica mais fácil. Além de relembrar que não há escola perfeita, um lanche saudável não significa perfeição, as rotinas podem ter horários diferentes dos que as crianças estão habituadas, entre outros, mas o que eu mais queria era me sentir segura para deixá-lo ali, e meu marido também, queríamos ter a certeza do cuidado, carinho, atenção… Joãozinho será um estudante no período da tarde, e já tô toda bobão e orgulhosa só de imaginar tudo que está por vir!!

Espero ter ajudado vocês!!!!!!!

Comentários

Deixe uma resposta