AlimentaçãoComportamentoParceiros

A AMAMENTAÇÃO E SEUS DESAFIOS

Por Lilian Parra

Certamente todo mundo já ouviu falar dos benefícios da amamentação. Mas sabe-se também que nem sempre é uma tarefa fácil. Pelo contrário, a amamentação tem seus desafios, e para que ela ocorra de forma satisfatória é preciso que a mulher tenha todas as informações necessárias de como agir na hora da dificuldade, para que assim não se desespere e acabe desistindo.

Começando a listar alguns benefícios, temos a diminuição da mortalidade infantil, graças ao Fator Bífido (conhecido como a bactéria do bem) que só é encontrado no leite materno, e ao colostro (que é o primeiro leite produzido após o parto) conhecido como a primeira grande vacina do bebê.

O leite materno também diminui o risco de alergias, reduz a chance de obesidade, oferece uma melhor nutrição, estudos apontam para um efeito positivo na inteligência dos bebês, traz um melhor desenvolvimento da cavidade bucal, proporcionando melhor oclusão dentária devido ao exercício de sucção que o bebê faz para retirar o leite, além de promover o vínculo afetivo entre mãe e filho, entre tantas outras vantagens. Podemos ainda citar os benefícios para a mulher, como a redução do risco de câncer de mama e diabete do tipo 2, evita nova gravidez nos primeiros seis meses após o parto desde que esteja amamentando exclusiva ou predominantemente e ainda não tenha menstruado, além de apresentar menor custo financeiro, pois a família não precisará gastar com fórmulas infantis, mamadeiras, bicos artificiais, etc.

É claro que para a amamentação ocorrer na sua melhor forma é preciso prestar atenção a alguns sinais, como por exemplo, ao seu tipo de mamilo, que pode ser protuso, semi-protuso, invertido ou plano. Vale lembrar que todos os tipos estão aptos para amamentar, porém alguns podem trazer maior dificuldade, mas para isso existem intervenções para facilitar.

A posição do bebê também pode interferir positiva ou negativamente no sucesso das mamadas, as mais conhecidas são: a tradicional, invertida, cavalinho e deitada (onde a cabecinha do bebê deve sempre estar levemente inclinada), vale mudar a posição da mamada se esta estiver causando algum incômodo para a mãe ou o bebê, até encontrar a que seja mais confortável.

Alguns sinais de alerta para serem observados durante as mamadas são: bochechas do bebê encovadas, fazendo ruído na língua (estalos), mama esticada ou deformada durante a mamada, bico amassado, avermelhado ou esbranquiçado, dor na amamentação, sucção não nutritiva prolongada (quando o bebê usa o seio de chupeta). Estes sinais podem ser indícios de pega incorreta, mama cheia ou fissuras e será necessário procurar um profissional habilitado para orientar a melhor forma de proceder para cada caso.

Mas, e se ainda assim você não quiser amamentar? Você tem o direito de escolher! O vínculo se faz através do AMOR.

Comentários

Deixe uma resposta